Blixtrombil Malifluous

logo do blog
Engravidar aos 30 anos

Engravidar aos 30 anos: Benefícios, riscos e conselhos

Se estás a pensar engravidar aos 30 anos, é sempre uma boa ideia começar a planear mais cedo, para que possas compreender qual a melhor altura e começares a preparar o teu corpo para essa gravidez. Embora as mulheres sejam mais férteis na casa dos 20 anos, um número crescente de mulheres está a optar por ficar grávida aos 30 anos, ou bem depois dos 35 anos.

Se já estas na casa dos 30 anos e queres tentar engravidar ou a planear ter o teu primeiro filho, este artigo irá ajudar-te a compreender os benefícios e os riscos de engravidar depois dos 30 – e o que podes fazer para aumentar as tuas hipóteses de uma gravidez bem-sucedida!

Quais são as tuas hipóteses de engravidar aos 30 anos?

As mulheres são mais férteis na casa dos 20 anos e a sua fertilidade diminui previsivelmente com a idade. A boa notícia é que a tua fertilidade não muda muito entre os 20 e os 30 anos. Na casa dos 20 anos, a mulher média tem 25% de hipóteses de engravidar todos os meses. Aos 30 anos, esse número desce apenas para 20%.

A maior mudança na tua fertilidade durante os 30 anos ocorre após os 35 anos. Quando uma mulher faz 35 anos, torna-se muito mais difícil engravidar (embora ainda seja possível para muitas mulheres engravidar na casa dos 40 anos). De acordo com o American College of Obstetrics and Gynecology, 1 em cada 10 casais concebe por ciclo menstrual até aos 40 anos.

Compreender a sua fertilidade aos 30 anos

Porque é que a fertilidade de uma mulher diminui de forma tão previsível com a idade? Quando somos bebés, nascemos com todos os óvulos que teremos durante a nossa vida. Ao contrário dos homens, que produzem continuamente espermatozoides, as mulheres não podem produzir novos óvulos depois de nascerem.

Uma mulher nasce aproximadamente com um milhão de óvulos (sob a forma de folículos ováricos). Na sua primeira menstruação, este número já diminuiu para cerca de 300.000. Durante a vida reprodutiva da mulher, apenas 300 a 500 óvulos amadurecerão o suficiente para potencialmente formar uma gravidez.

Isto significa que as mulheres já têm uma reserva limitada de óvulos – e, à medida que envelhecemos, os nossos óvulos diminuem em quantidade e qualidade. Alguns óvulos morrem; outros sofrem mutações genéticas naturais com a idade que os impedem de se tornarem numa gravidez saudável. Eis como é a qualidade e quantidade dos seus óvulos na casa dos 30 anos.

Quantidade de óvulos numa mulher

As mulheres nascem com cerca de um milhão de óvulos. Quando chega aos 30 anos, apenas 90% desses óvulos permanecem. No início dos 30 anos, a fertilidade diminui gradualmente – mas depois dos 35 anos, a fertilidade diminui a um ritmo muito mais rápido. Aos 40 anos, a reserva ovárica de uma mulher mede entre cinco e 10.000 óvulos imaturos.

O teu médico pode estimar a tua reserva ovárica medindo os seus níveis de hormona anti-Mulleriana. A fertilização in vitro (FIV) pode ajudar se estiver a ter dificuldade em engravidar devido a uma reserva ovárica baixa.

Num ciclo normal, apenas um óvulo amadurece o suficiente para ser libertado pelo ovário e potencialmente fertilizado. No entanto, durante um ciclo de fertilização in vitro, podem ser utilizados medicamentos para “enganar” o corpo para que este produza até 100 óvulos maduros por mês.

Saúde dos óvulos de uma mulher

Infelizmente, medir a fertilidade na casa dos 30 anos não é tão simples como contar o número de óvulos que tem. À medida que a mulher envelhece, a saúde dos seus óvulos também diminui gradualmente.

Cada vez mais os nossos óvulos desenvolvem mutações genéticas à medida que envelhecemos. Podem conter cromossomas a mais ou a menos, o que significa que podem dar origem a uma criança com defeitos congénitos ou não conseguir transformar-se num feto maduro.

A qualidade dos óvulos diminui gradualmente a partir dos 30 anos. Por volta dos 30 anos, quase um terço dos óvulos de uma mulher são considerados geneticamente anormais.

Engravidar aos 30 anos - benefícios e riscos

Planear ter um bebé é uma grande decisão que não deve ser tomada de ânimo leve. Embora as mulheres possam ser mais férteis na casa dos 20 anos, engravidar na casa dos 20 anos não é adequado para toda a gente.

Normalmente as mulheres decidem ter bebés na casa dos 30 anos, porque é quando estão em melhor forma física, tem um estilo de vida mais saudável e tem mais segurança financeira.

Contudo, para qualquer gravidez, engravidar aos 30 ou depois dos 35 anos tem riscos. Certas complicações – como aborto espontâneo, síndrome de Down e múltiplos – podem ser mais prováveis de ocorrer numa mãe com mais de 30 anos. Estes riscos podem ser atenuados através da prestação de cuidados pré-natais fiáveis e do parto num estabelecimento preparado para cuidar de mães de alto risco e dos seus bebés.

Engravidar aos 30 anos de gémeos

Uma gravidez múltipla ocorre quando uma mulher dá à luz mais do que um filho de uma só vez. As mulheres com mais de 30 anos têm mais probabilidades de conceber gémeos do que as mulheres mais jovens. Isto deve-se ao facto de os níveis da hormona folículo-estimulante (FSH) aumentarem à medida que envelhecemos.

Conselhos para engravidar aos 30 anos

Engravidar depois dos 30 anos para alguma mulher pode não ser tão simples como ter relações sexuais durante a ovulação, tomar as vitaminas pré-natais e deixar de beber álcool.

É importante que possas fazer o que está ao teu alcance para apoiar uma gravidez saudável. Aqui estão alguns conselhos que deverás querer ter em mente quando estiveres a tentar engravidar aos 30 anos:

 

Controlo hormonal – Os testes hormonais podem tornar a viagem até à conceção muito mais fácil, ajudando a identificar as melhores alturas para ter relações sexuais de modo a engravidar. Os sistemas avançados de controlo hormonal existentes permitem identificar uma ovulação com 99% de precisão.

Manter um estilo de vida equilibrado – Uma alimentação adequada e exercício físico preparam o corpo de uma mulher para cuidar de um feto em crescimento. No entanto, o stress também pode ter um impacto negativo na fertilidade, por isso é importante não te esforces demasiado. Pede conselhos ao teu médico sobre nutrição e exercícios seguros a praticar quando estás a tentar engravidar – e, claro, não te esqueça das vitaminas pré-natais!

Procura apoio quando necessário – Engravidar pode ser uma longa jornada, especialmente depois dos 30 anos. Quando a conceção demora mais do que o esperado, podes te sentir cheia de emoções. Certifique-te de que tens amigos e familiares a quem podes recorrer para obter apoio quando precisar. Também poderás procurar um psicólogo que te ajude neste processo.

Monitoriza a tua saúde de perto – Como mencionado anteriormente, engravidar depois dos 30 anos está associado a determinados riscos para a sua saúde e para a saúde do teu bebé. É importante monitorizar de perto quaisquer problemas potenciais desde o início para garantir que recebes os melhores cuidados pré-natais possíveis.

Quando procurar ajuda para engravidar

Em Portugal poderás procurar ajuda no sistema nacional de saúde até aos 40 anos de idade desde que já estejas a tentar uma gravidez há pelo menos 2 anos.

Uma vez que os tratamentos de fertilidade, tendem a diminuir a sua eficácia após os 35 anos, é importante procurar ajuda para questões de fertilidade assim que reconheçam um potencial problema.

Assim deverás consultar o seu ginecologista obstetra, especialista em fertilidade ou médico de família se:

 

  • Estás a tentar engravidar há um ano (menos de 35 anos)
  • Estás a tentar engravidar há seis meses (menos de 35 anos)
  • Tens endometriose, SOP ou outro problema de saúde que afete a fertilidade
  • Tiveste dificuldades em engravidar no passado
  • Tiveste vários abortos espontâneos no passado

 

A FSH é responsável pelo desenvolvimento dos folículos nos ovários. À medida que a mulher envelhece, é necessária mais FSH para estimular os folículos a crescerem e a libertarem um óvulo – mas, por vezes, o folículo responde de forma exagerada à estimulação extra, libertando um segundo ou mesmo um terceiro óvulo. Isto pode resultar em dois ou mais bebés a serem transportados pela mãe ao mesmo tempo.

O maior risco de uma gravidez múltipla é o parto prematuro, que ocorre em cerca de 60 por cento das gravidezes gemelares. Estes bebés podem nascer com baixo peso e necessitar de cuidados intensivos, mas muitas vezes têm uma vida saudável e plena.

Em suma, é normal em Portugal vermos mulheres a engravidar depois dos 30 anos. Uma gravidez depois dos 30 desde que bem acompanhada por um profissional de saúde, tem elevadas possibilidades de ser bem-sucedida.