Blog maternidade

logo do blog
perigos da internet e redes sociais

Os perigos da internet para crianças e adolescentes

A internet, tal como a conhecemos, tornou-se um vasto universo onde crianças estão presentes em plataformas como TikTok, Instagram, Facebook e outras redes sociais. Como pais, é natural que nos preocupemos com a segurança de nossos filhos e tentemos informá-los dos perigos da internet. 

É crucial que estejamos presentes e atentos às pesquisas que nossos filhos fazem na internet e às suas atividades nas redes sociais.

Atualmente, é comum a presença de crianças nas redes sociais e a interação com amigos virtuais. No entanto, é fundamental que elas sejam sensibilizadas para utilizar a internet e as redes sociais de forma correta, a fim de contornar os riscos de segurança associados.

É importante que as contas de redes sociais sejam anônimas e restritas apenas a amigos ou conhecidos da escola ou do trabalho, desde que transmitam confiança. Ao ensinarmos esses princípios aos nossos filhos, reduzimos drasticamente o risco de exposição pública na internet.

Acompanhamento dos filhos no uso de tecnologia

Da mesma forma que acompanhas o teu filho em passeios, em aniversários e em outras atividades diárias, também é extremamente importante acompanhá-lo quando ele está a usar o telemóvel ou o computador.

Podes mostrar ao teu filho páginas recomendadas para a sua idade, onde ele possa encontrar conteúdo adequado aos seus interesses. Além disso, é possível configurar um sistema de bloqueio no computador ou telemóvel para impedir o acesso a páginas que não são recomendadas para a sua faixa etária.

Já existem diversas aplicações que permitem fazer a gestão das aplicações de telemóvel, redes sociais e a quantidade de tempo que as crianças podem utilizá-las. Essas ferramentas ajudam a promover um uso saudável da tecnologia e a garantir a segurança online dos mais novos.

É fundamental estabelecer regras claras para a utilização da internet, incluindo redes sociais, plataformas de vídeos como o YouTube e outros sites, mesmo que os nossos filhos nos chamem de chatas, mães galinhas, ou mesmo que expressem sua insatisfação.

É também importante mantermo-nos atualizadas sobre as redes sociais que são mais visitadas pelas crianças, de forma a aprender com frequência por cursos e workshops relacionados à segurança na internet e nas redes sociais.

Esses cursos e workshops fornecerão aos pais ferramentas, estudos de tendências e insights comportamentais, permitindo-nos garantir a segurança online das crianças. Afinal, quem é que nunca pensou em criar uma conta de Instagram falsa para controlar as atividades das crianças?

Um elemento essencial é a construção de confiança entre pais e filhos, sendo importante que sejam amigos nas redes sociais, eliminando assim a necessidade de recorrer a estratégias de espionagem.

Ao estabelecer uma relação de confiança e amizade online, é possível promover um ambiente saudável e seguro para nossos filhos, onde eles se sintam à vontade para compartilhar suas experiências e procurar apoio quando necessário. Isso não só irá fortalecer as relações familiares, como também irá contribuir para uma relação positiva com a tecnologia.

Proibir o uso da internet e redes sociais não é a solução

Como ex-crianças, percebemos que quanto mais proibições são impostas, pior poderá ser. Lembro-me de quando era jovem, frequentava a biblioteca da escola ou lojas com computadores conectados à internet e passava imenso tempo em chats como o mIRC.

Conversei com pessoas desconhecidas e até recebi convites de estranhos para encontros. No entanto, sempre fui uma adolescente consciente e ciente dos riscos da internet. Estabeleci regras de segurança, como nunca marcar encontros com estranhos, nunca enviar fotos para pessoas desconhecidas e nunca compartilhar os meus contatos com estranhos.

Atualmente, os nossos filhos têm muito mais acesso à informação e há uma maior conscientização sobre os perigos da internet, tanto em casa quanto na escola. No entanto, mesmo que os nossos filhos tenham crescido na era da tecnologia, não se deve presumir que ele saiba absolutamente tudo sobre este tema em constante transformação.

Assim, é crucial orientá-los com nossos conselhos e experiência, lembrando-os dos perigos da internet. Por exemplo, explica que algumas pessoas podem esconder sua verdadeira identidade online e que, por esse motivo, eles não devem adicionar amigos desconhecidos nas redes sociais.

Limita o tempo no computador ou telemóvel

Uma das regras essenciais a ser aplicada em casa é a limitação do tempo de uso da internet. Uma abordagem gentil para a sua implementação é é a organização de atividades em família sempre que possível. Por exemplo, organiza passeios e estabelece uma rotina de jogos e momentos em família. 

De facto, esta é uma das principais mensagens que deves tentar incutir ao teu filho: o mundo não se reduz a um ecrã. Este ensinamento é importante para evitar a dependência, e nós adultos também temos que dar o exemplo.

Da mesma forma que pretendemos minimizar o tempo e os riscos que os nossos filhos tem com a internet e redes sociais, também nós devemos deixar o telemóvel e a televisão de lado.

Como podemos incentivar os nossos filhos a participar em atividades sem ecrãs, se passamos muito tempo no telemóvel, no Instagram ou até a ver séries no Netflix? É importante refletirmos sobre nosso próprio comportamento e ajustá-lo de forma consistente para promover um equilíbrio saudável entre a vida online e offline.

 Se gostaste de ler este artigo também poderás gostas de ler:

– Amamentação sem dor

Acidentes domésticos: como evitá-los

Sandra Silva – mães que me inspiram